Ainda estamos muito longe de atingir todo o nosso potencial Computação quântica, mas os cientistas estão sempre avançando e, porquê um sinal do que pode vir a seguir, a IBM diz que espera ter uma máquina de 1.000 qubit em operação em 2023.

Qubits são os equivalentes quânticos dos bits de computador clássicos, que podem ser definidos não unicamente porquê 1 ou 0, mas porquê um estado sobreposto que pode simbolizar 1 e 0 ao mesmo tempo. Essa propriedade aparentemente simples tem o potencial de revolucionar a quantidade de poder de computação à nossa disposição.

Com o IBM Quantum Condor previsto para 2023, com 1.121 qubits, para ser exato, devemos principiar a procurar computadores quânticos começam a abordar um número suculento de cálculos do mundo real, em vez de se limitarem a experimentos de laboratório.

IBM Quantum Computer Lab. (Connie Zhou para IBM)

“Pensamos na Condor porquê um ponto de inflexão, um marco que marca nossa capacidade de implementar a correção de erros e expandir nossos dispositivos, sendo múltiplo o suficiente para explorar potenciais vantagens quânticas, problemas que podemos resolver mais mais eficiente em um computador quântico do que nos melhores supercomputadores do mundo ” escreve o físico Jay Gambetta, Membro da IBM e vice-presidente da IBM Quantum.

É uma meta ousada a ser definida, já que o maior computador quântico da IBM até hoje tem unicamente 65 qubits. A empresa diz que planeja ter uma máquina de 127 qubit pronta até 2021, uma máquina de 433 qubit disponível até 2022 e um computador que tem um milhão de qubits em … qualquer ponto não especificado no porvir.

Os computadores quânticos de hoje requerem configurações muito delicadas e extremamente frias e são facilmente removidos por quase qualquer tipo de interferência ou soído atmosférico, o que não é ideal se você tentar restringir alguns números ao nível quântico.

O que tem mais qubits é fornecer melhor correção de erros, um processo crucial em qualquer computador que garante que os cálculos sejam precisos e confiáveis ​​e reduz o impacto da interferência.

A natureza complexa de Computação quântica significa que a correção de erros é um duelo maior do que o normal. Infelizmente, fazer com que os qubits funcionem muito juntos é incrivelmente difícil, e é por isso que só agora vemos computadores quânticos com qubits na lar das dezenas.

muro de 1.000 qubits no totalidade ainda não seriam suficientes para enfrentar os desafios da computação quântica em grande graduação, mas seriam suficientes para manter um pequeno número de sistemas qubit lógicos e estáveis ​​que poderiam interagir uns com os outros.

E embora fosse necessário mais de um milhão de qubits para realmente perceber o potencial da computação quântica, a cada ano vemos um progresso inabalável: teletransporte quântico entre chips de computador, um simulando reações químicas.

A IBM espera que, ao se comprometer com esses objetivos, possa concentrar melhor seus esforços na computação quântica e que outras empresas que trabalham no mesmo espaço saibam o que esperar nos próximos anos, adicionando alguma certeza a um campo imprevisível.

“Chegamos a um ponto em que há investimento associado suficiente, o que é muito importante para principiar a ter mecanismos de coordenação e sinalização para não desviarmos seriamente os recursos e permitir que todos façam seu trabalho”, disse o tecnólogo. Dario Gil, executivo sênior da IBM TechCrunch.

Este item foi reescrito, traduzido de uma publicação em inglês. Clique cá para acessar a material original (em inglês)!