Mart eles podem não ter muitas coisas no momento, dependendo da vida, mas o planeta vermelho pulverulento pode não ser tão inóspito quanto parece.

Novos experimentos mostraram isso cianobactéria (algas verdejante-azuladas) podem crescer com sucesso nas condições atmosféricas marcianas.

Alguns ingredientes a mais são necessários, é evidente, mas é um passo significativo em direção a sistemas de suporte de vida baseados em cianobactérias para habitats humanos quando finalmente chegarmos lá.

“cá, mostramos que as cianobactérias podem usar os gases disponíveis na atmosfera marciana, a uma pressão totalidade baixa, porquê nascente de carbono e nitrogênio,” disse o astrobiólogo Cyprien Verseux da Universidade de Bremen na Alemanha.

“Nessas condições, as cianobactérias mantiveram sua capacidade de crescer em chuva que continha somente poeira semelhante à de Marte e ainda podiam ser usadas para cevar outros micróbios. Isso poderia ajudar a tornar as missões a Marte sustentáveis ​​no longo prazo.”

Na terreno, as cianobactérias nem sempre são as mais compatíveis com outras vidas. Pode ser encontrado quase em todos os habitats no planeta, e às vezes produz toxinas potentes isso pode matar outros organismos.

Ainda assim, podemos não estar cá sem ele. Os cientistas acreditam que um boom de cianobactérias ocorreu há 2,4 bilhões de anos principalmente responsável pelo nosso envolvente respirável. Quando explodiu no lugar, as cianobactérias bombardearam a atmosfera com oxigênio, alterando dramaticamente todo o planeta.

Todas as espécies de cianobactérias produzem oxigênio porquê subproduto fotossintético e são uma nascente inestimável dele, ainda hoje.

Por alguns anos, cientistas Eu tenho considerado se e porquê poderíamos aproveitar a capacidade das cianobactérias de produzir oxigênio para viver em Marte (i no espaço)

Isso implicaria em benefícios adicionais. A atmosfera de Marte é composta principalmente de dióxido de carbono (95 por cento) e nitrogênio (3 por cento), ambos fixados por cianobactérias, tornando-os compostos orgânicos eu nutrientes respectivamente.

No entanto, a pressão atmosférica em Marte é um revés significativo. É somente 1% da pressão atmosférica da terreno, muito baixa para a presença de chuva líquida, e as cianobactérias não podem crescer diretamente lá ou extrair nitrogênio suficiente. Mas recriar as condições da atmosfera da terreno em Marte também é um duelo, mormente a pressão.

logo Verseux e sua equipe procuraram um ponto médio. Eles desenvolveram um biorreator chamado Atmos que tem uma pressão atmosférica de tapume de 10 por cento da da terreno, mas usa somente o que pode ser encontrado em Marte, embora em proporções invertidas: 96 por cento de nitrogênio e 4 por cento de dióxido de carbono.

O biorreator também incluiu chuva, que pode ser obtida em Marte a partir do gelo liquefacto, que é numeroso na superfície em certos lugares, e um simulador regulador marciano, uma mistura de minerais criada cá na terreno que usa somente o que pode ser encontrado em Marte.

O sistema, formado por nove recipientes de vidro e aço, era cuidadosamente controlado com temperatura e pressão e controlado em todos os momentos.

Atmosfera. (C. Verseux / ZARM)

A equipe selecionou uma família de cianobactéria fixadora de nitrogênio que testes preliminares mostraram que provavelmente prosperaria nessas condições, Anabaena sp. PCC 7938 e testei-o em várias condições.

Algumas câmeras usaram um meio de cultura para cultivar cianobactérias, enquanto outras usaram o regolito de Marte simulado. Alguns foram expostos à pressão atmosférica da terreno, enquanto outros foram reduzidos a baixa pressão.

Os cientistas descobriram que eles não somente o fizeram Anabaena crescer, ele o fez “vigorosamente”. Obviamente, cresceu melhor no meio de cultura do que na regra de Marte, mas o indumentária de ter desenvolvido na regra é um enorme sucesso, indicando que o propagação de cianobactérias em Marte não deve depender de ingredientes importados de Marte.

logo, para prezar se as cianobactérias cultivadas sob condições marcianas poderiam continuar a ser úteis, os pesquisadores as secaram e usaram porquê substrato para crescer. Escherichia coli.

Isso mostrou que açúcares, aminoácidos e outros nutrientes podem ser obtidos a partir de cianobactérias para cevar outras culturas, que podem logo ser usadas para outros fins, porquê a produção de medicamentos.

evidente, há muito mais trabalho a ser feito.

O Atmos foi projetado para testar se as cianobactérias podem ser cultivadas sob certas condições atmosféricas, não para maximizar a eficiência, e os parâmetros do biorreator dependerão de muitos fatores na missão de Marte, incluindo trouxa útil e arquitetura da missão. A anabaena pode nem ser a melhor cianobactéria para o trabalho.

Agora que o concepção foi demonstrado, no entanto, a equipe pode principiar a trabalhar na otimização de um sistema de biorreator que um dia pode nos manter vivos em Marte.

“Nosso biorreator, Atmos, não é o sistema de cultura que usaríamos em Marte: ele visa testar, na terreno, as condições que forneceríamos”, Verseux disse.

“Mas nossos resultados ajudarão a orientar o projeto de um sistema de cultura marciana … Queremos passar dessa prova de concepção para um sistema que possa ser usado em Marte de forma eficiente.”

A pesquisa foi publicada em Fronteiras em microbiologia.

Este item foi reescrito, traduzido de uma publicação em inglês. Clique cá para acessar a material original (em inglês)!