Policiais intervieram ontem depois que um grupo de manifestantes bloqueou uma estrada fora de uma das maiores feiras de armas do mundo.

Cerca de 200 manifestantes realizaram um sétimo dia consecutivo de protesto do lado de fora do centro de exposições Excel, no leste de Londres, em protesto contra a feira internacional de armas de Defesa e Segurança (DSEI), que deve abrir na próxima semana.

Pouco depois das 14h40 de domingo, um grupo de manifestantes de grupos como Campanha Contra o Comércio de Armas e Lésbicas e Gays Support the Migrants bloqueou uma das estradas próximas ao centro de exposições, levando oficiais da Polícia Metropolitana a cercar os manifestantes.

Exibição

Oficiais foram vistos cercando os ativistas enquanto eles estavam na estrada e movendo fisicamente dois dos manifestantes da estrada, mas nenhuma prisão foi feita.

Durante a última semana de protestos, que supostamente envolveu cerca de 2.000 pessoas, 113 pessoas foram presas por ofensas, incluindo transgressão agravada e obstrução da rodovia.

Um porta-voz da Polícia Metropolitana disse à agência de notícias da AP: "O Serviço Metropolitano de Polícia (MPS) responde proporcionalmente a qualquer atividade de protesto, equilibrando os direitos dos que protestam e os direitos de outras pessoas de realizar seus negócios normais sem serem afetados.

"Embora o MPS sempre busque trabalhar com os organizadores para facilitar o direito a protestos, também temos o dever de minimizar as interrupções, para que outros membros da comunidade pública e local possam seguir suas vidas cotidianas".

Ativistas pediram o fim da feira de armas, que abre oficialmente na terça-feira, e impediram a entrada de equipamentos no centro de exposições.

Evita

Sam Bjorn, de lésbicas e gays apoia os migrantes, disse à PA: "As empresas de armas que chegam a Londres agora não estão apenas alimentando conflitos em todo o mundo que estão forçando as pessoas a fugir, mas também estão vendendo o equipamento que militariza nossas fronteiras e está matando pessoas que buscam segurança.

"Estamos aqui para defender o direito de todas as pessoas de procurar santuário, ou uma vida melhor, sem medo de violência, detenção e fronteiras racistas. Estamos aqui para dizer que migrantes e refugiados são bem-vindos, traficantes de armas e regimes opressivos não. . "

O evento de quatro dias é apoiado pelo Ministério da Defesa e inclui o comércio de equipamentos como navios de guerra, tanques e armas como parte de uma das maiores feiras de armas do mundo.

O prefeito de Londres Sadiq Khan disse aos organizadores do DSEI que tentaria impedir o retorno do evento ao leste de Londres nos próximos anos, em uma carta vista por O Independente.

Este autor

Jess Glass é repórter da PA.

Esta matéria foi traduzida e republicada. Clique aqui para acessar o site original.