Uma xícara de cháDireitos autorais da imagem
Getty Creative Stock

Alguns saquinhos de chá premium podem deixar bilhões de partículas microscópicas de plástico em sua xícara, sugerem novas pesquisas.

Pesquisadores canadenses descobriram que alguns saquinhos de chá plásticos lançam altos níveis de microplásticos na água.

Os microplásticos foram amplamente encontrados no meio ambiente, nas águas da torneira e nas garrafas, e em alguns alimentos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) diz que essas partículas na água potável não parecem representar um risco.

Mas a OMS disse que os resultados foram baseados em "informações limitadas" e pediu maior pesquisa sobre o assunto.

Os pesquisadores da Universidade McGill, em Montreal, Canadá, também pediram mais investigações sobre os efeitos dos microplásticos na saúde, definidos como pequenos pedaços (com menos de 5 mm de comprimento) de qualquer tipo de detrito plástico.

Para o estudo, eles compraram quatro chás comerciais diferentes embalados em saquinhos de chá de plástico.

A maioria dos saquinhos de chá é feita de papel, mas algumas marcas premium passaram a usar um tipo de malha de plástico em seu produto.

Os pesquisadores removeram o chá e colocaram os saquinhos vazios em água aquecida a 95 ° C, como se estivessem fazendo chá.

Eles descobriram que um único saquinho de chá de plástico liberava cerca de 11,6 bilhões de microplásticos e 3,1 bilhões de partículas nanoplásticas menores na água quente. As partículas são completamente invisíveis a olho nu.

A reprodução de mídia não é suportada no seu dispositivo

Legenda da mídiaPesquisa liderada pela organização de jornalismo Orb Media descobriu uma média de 10 partículas de plástico por litro

O nível de "partículas liberadas da embalagem do saquinho de chá é várias ordens de magnitude superior às cargas de plástico relatadas anteriormente em outros alimentos", de acordo com o estudo, publicado pela revista Environmental Science and Technology.

A pesquisadora Laura Hernandez diz que ficou surpresa com a quantidade liberada em comparação com as registradas em outros estudos em coisas como água engarrafada.

Ela diz que a discrepância pode ser em parte devido ao fato de eles se concentrarem nas menores partículas – microplásticos, que têm a espessura de um fio, e nanoplásticos, mil vezes menores.

  • OMS lança revisão da saúde dos plásticos
  • 'Sem risco aparente' de microplásticos na água

Mas ela também disse que isso pode ser devido ao fato de "ser um pedaço de plástico exposto à água fervente" e não apenas à temperatura ambiente.

Hernandez observou que essa é uma chance para os consumidores, como aqueles que buscam reduzir o uso de plástico, estarem mais conscientes de suas compras.

"Não há realmente a necessidade de embalar o chá em plástico, que no final do dia se torna plástico de uso único", disse ela. "(E) que está contribuindo para você não apenas ingerir plástico, mas também para a carga ambiental do plástico".

Esta matéria foi traduzida e republicada. Clique aqui para acessar o site original.