Um satélite da NASA capturou imagens sem fio de monóxido de carbono na atmosfera devido aos incêndios florestais que continuam a grassar na floresta amazônica.

A NASA coletou novos dados de seu instrumento AIRS (Atmospheric Infrared Sounder), medindo os níveis de monóxido de carbono a uma altitude de 5.500 metros de 8 a 22 de agosto, de acordo com comunicado de imprensa.

O AIRS, que está no satélite Aqua da NASA, mede "a temperatura e a umidade da atmosfera, as quantidades e altitudes das nuvens, as concentrações de efeito estufa e muitos outros fenômenos atmosféricos", afirmou o comunicado à imprensa.

Esta animação dos novos dados mostra o monóxido de carbono subindo na atmosfera, indicado pelas cores verde, amarelo e vermelho escuro para comprovar a concentração do gás por partes por bilhão de volumes (ppvb).

"Verde indica concentrações de monóxido de carbono de cerca de 100 partes por bilhão de volume (ppbv); amarelo, cerca de 120 ppbv; e vermelho escuro, cerca de 160 ppbv", escreveu a NASA no comunicado de imprensa. "Valores locais podem ser significativamente maiores."

Como um poluente atmosférico que pode viajar longas distâncias e permanecer na atmosfera por cerca de um mês, o monóxido de carbono desempenha um papel significativo na mudança climática.

Embora o AIRS avalie o monóxido de carbono em uma altitude relativamente alta e tenha pouco impacto no ar que respiramos hoje, "os ventos fortes podem levá-lo até onde possa impactar significativamente a qualidade do ar", escreveu a NASA no comunicado à imprensa.

Preocupações sobre a maior floresta tropical do mundo surgiram como um número recorde de incêndios provocados pela Amazônia neste ano – totalizando 72.843 incidentes, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Os incêndios foram supostamente causados ​​por seres humanos. Presidente brasileiro Jair Bolsonaro incentivou o desenvolvimento da floresta tropical para mineração, silvicultura e agricultura.

Este artigo foi publicado originalmente por Insidioso negócio.

Mais de Business Insider:



Esta matéria foi traduzida do portal Science Alert Pty Ltd.