O que está acontecendo na Amazônia?

Milhares de incêndios estão queimando no Brasil, muitos deles na maior floresta tropical do mundo, que está enviando nuvens de fumaça por toda a região e bombeando quantidades alarmantes de carbono para a atmosfera do mundo.

Isso acontece todo ano?

Sim, mas algumas áreas sofreram muito mais do que o habitual. No estado brasileiro mais afetado do Amazonas, o dia de pico neste mês foi 700% superior à média da mesma data nos últimos 15 anos. Em outros estados, a quantidade de cinzas e outras partículas em agosto atingiu o nível mais alto desde 2010.

Mapa da Amazônia

Qual é a causa?

A maioria dos incêndios é agrícola, pequenos agricultores queimando restolho após a colheita ou agricultores derrubando florestas para terras cultiváveis. Os grileiros ilegais também destroem árvores, para que possam aumentar o valor da propriedade que apreendem. Mas eles são feitos pelo homem e principalmente deliberados. Ao contrário dos enormes incêndios recentes na Sibéria e no Alasca, é muito improvável que os incêndios na Amazônia tenham sido causados ​​por raios.

A floresta inteira está em chamas?

Não. Os especialistas em monitoramento de satélite dizem que as imagens de uma floresta inteira em chamas são exageradas. Uma grande quantidade de desinformação foi disseminada pelas mídias sociais, incluindo o uso de imagens impressionantes das estações de queima dos anos anteriores. Nesta semana, existem mais grandes incêndios na Colômbia e no leste do Brasil do que na Amazônia. A maioria das queimadas agrícolas ocorre em áreas desmatadas. Mas também existem incêndios em reservas protegidas.

Precisamos nos preocupar com oxigênio?

Não. Embora alguns relatórios afirmem que a Amazônia produz 20% do oxigênio do mundo, não está claro de onde esse número se originou. O número real provavelmente não passará de 6%, de acordo com cientistas climáticos como Michael Mann e Jonathan Foley. Mesmo que fossem precisas, as plantações plantadas nas áreas florestais desmatadas também produziriam oxigênio – provavelmente em níveis mais altos. Portanto, embora a queima da floresta seja preocupante por muitas razões, não há necessidade de se preocupar com a falta de oxigênio.

Então, ainda devemos nos preocupar?

Extremamente. Os incêndios são principalmente ilegais e estão degradando o maior sumidouro de carbono terrestre do mundo e a casa mais importante para a biodiversidade. Eles também contribuem para uma tendência mais importante, que é um aumento alarmante no desmatamento. Os cientistas dizem que a Amazônia está se aproximando de um ponto crítico, após o qual se degradará irreversivelmente em uma savana seca. Numa época em que o mundo precisa de bilhões de árvores a mais para absorver carbono e estabilizar o clima, o planeta está perdendo sua maior floresta tropical.

Quanta floresta está sendo perdida?

Em julho, o desmatamento atingiu um nível nunca visto em mais de uma década. De acordo com dados preliminares de satélite da agência espacial brasileira, as árvores estavam sendo cortadas na proporção de cinco campos de futebol a cada minuto. No único mês, 2.254 km2 (870 milhas quadradas) foram perdidos, um aumento de 278% em relação ao mesmo mês do ano passado. Os cientistas dizem que este ano pode ser o primeiro em 10 anos nos quais 10.000 quilômetros quadrados da Amazônia são perdidos.

Área perdida – gráfico de linhas

A situação era muito pior nos anos 90 e no início dos anos 2000. Mas o Brasil ganhou elogios internacionais depois disso, diminuindo o desmatamento em 80% entre 2005 e 2014. Isso foi feito com monitoramento rigoroso, melhor policiamento e penalidades mais duras. Mas esse sistema foi corroído nos últimos anos e muitos temem um retorno aos níveis alarmantes de perda de florestas que ocorreram duas décadas atrás.

Isso é culpa do presidente brasileiro?

Jair Bolsonaro tornou as coisas muito piores, enfraquecendo a agência ambiental, atacando ONGs de conservação e promovendo a abertura da Amazônia para mineração, agricultura e extração de madeira. O líder da extrema direita descartou dados de satélite sobre o desmatamento e demitiu o chefe da agência espacial. Mas não é apenas culpa dele. O lobby agrícola é poderoso no Brasil e corroeu constantemente o sistema de proteção que obteve tanto sucesso entre 2005 e 2014. O desmatamento aumentou nos últimos cinco anos sob as presidentes anteriores Dilma Rousseff e Michel Temer. A taxa acelerou rapidamente nos primeiros oito meses do governo de Bolsonaro. Mas isso não é apenas sobre ele, política ou Brasil. Também há grandes incêndios na Bolívia, que tem um presidente populista de esquerda.

Escala de destruição – gráfico

O que o mundo exterior está fazendo?

O secretário geral da ONU e muitos líderes e celebridades mundiais manifestaram preocupação. A Amazônia estará no topo da agenda dos líderes do G7 em uma cúpula na França neste fim de semana. É provável que eles façam uma forte declaração condenando o recente aumento do desmatamento e exortem o Brasil a restaurar as proteções da Amazônia que anteriormente fizeram do país um líder ambiental global.

Isso é suficiente?

Não. A prioridade deve ser a proteção contra o ponto de inflexão e a redução das emissões, o que significa não apenas a proteção da Amazônia, mas um reflorestamento maciço. Isso exigirá muito mais apoio financeiro do que qualquer coisa vista até agora. Para que isso seja eficaz, os governos também precisarão alinhar suas políticas ambientais e comerciais. Atualmente, países como o Reino Unido gastam pequenas quantias em conservação no exterior e promovem bilhões de dólares em comércio de carne bovina, soja, madeira, minerais e outros produtos que minam os esforços de proteção da Amazônia. Os políticos também devem ouvir mais as vozes das pessoas que vivem na floresta, como grupos indígenas e comunidades ribeirinhas.


Incêndios na Amazônia: as tribos lutando para salvar a floresta tropical que está morrendo – vídeo

O que os indivíduos podem fazer?

As ações mais importantes são políticas e coletivas. Participe de uma festa ou grupo de campanha que priorize a Amazônia. Por meio desses grupos, peça aos seus representantes eleitos que bloqueiem acordos comerciais com países que destroem suas florestas e forneçam mais apoio aos países que expandem a cobertura de árvores.

Além disso, doe para organizações que apóiam a floresta, moradores da floresta e biodiversidade, incluindo Instituto Socioambiental, Amazon Watch, WWF, Paz verde, Imazon, Rios internacionais e Amigos da Terra.

Como consumidores, pense duas vezes antes de comprar carne brasileira ou outros produtos, a menos que seja certificado por grupos como Aliança da floresta tropical. A conexão da Amazon nem sempre é óbvia.



Esta matéria foi traduzida do site original.