Por Jack Goodman e Christopher Giles
BBC Reality Check and Visual Journalism

tópicos relacionados

  • Verificação da verdade

direitos autorais da imagemGetty Images

A preservação da floresta amazônica é de valia mundial no combate às mudanças climáticas, mas ela está ameaçada por incêndios florestais, principalmente com início de desmatamento para a lavra.

As primeiras edições da temporada de incêndios deste ano mostram um aumento, causando preocupação entre os cientistas.

O presidente Jair Bolsonaro, do Brasil, disse recentemente que as afirmações de que a Amazônia “pegou incêndio” não eram verdadeiras, apesar das estatísticas divulgadas por seu próprio governo mostrando a propagação dos incêndios.

logo, o que os dados mostram sobre o que está acontecendo este ano?

A floresta no Brasil está queimada?

O Brasil é um país enorme com muitos ambientes diferentes, uma vez que pradarias, pântanos e floresta tropical.

tapume de 60% da floresta amazônica é encontrada no Brasil e desempenha um papel fundamental na sucção de CO2 prejudicial que de outra forma escaparia para a atmosfera. Portanto, há uma preocupação próprio com os danos que os incêndios podem suscitar cá.

  • Amazônia brasileira aumenta desmatamento

  • Amazon sob prenúncio: incêndios, logs e agora vírus

O número totalidade de queimadas na Amazônia brasileira até julho deste ano é tá, mas um pouco menor do que no mesmo período do ano pretérito.

Mas há preocupação com o estouro de queimadas no mês pretérito, antes do normal.

“Se levarmos em conta o número médio de incêndios em julho no período de 2010-2019, o número de incêndios em julho de 2020 foi um aumento de 55,6% da média”, afirma a professora Marcia Castro, pesquisador brasileira fundamentado na Harvard University. .

“Também houve subida em junho (19,6% diante de junho do ano pretérito, e 36,1% diante de a média de junho de 2010-19). O ponto tá da temporada de incêndios é geralmente visto entre agosto e setembro.

“O aumento regular em junho e julho é preocupante”, diz o professor Castro.

direitos autorais da imagemGetty Images

E os alertas até agora em agosto parecem rivalizar com o número registrado no ano pretérito. Os incêndios deste ano estão no segundo nível mais tá desde 2010.

Durante os primeiros sete meses de 2020, mais de 13.000 km (5.019 metros quadrados) da Amazônia brasileira foram queimados, de tratado com a estudo de dados de satélite fornecida pela Dra. Michelle Kalamandeen, uma ecologista tropical na floresta amazônica. .

É mais de oito vezes o tamanho de Londres.

O Dr. Kalamandeen diz que a floresta queimada muitas vezes luta para voltar a crescer.

“Quando uma floresta se perde, ela desaparece para sempre. Pode ocorrer uma recuperação, mas nunca se recupera 100%”, afirma.

Ao se contemplar a propagação dos incêndios no Brasil, durante a semana de 11 de agosto, foram observados aglomerados de incêndios na Amazônia, com os estados do Pará, Mato Grosso, Amazônia e Rondônia relatando um número. alerta sumo.

Nos periferia de Novo Progresso, no estado do Pará, agricultores Um “dia de incêndio” foi realizado no ano pretérito e os satélites captaram mais de 1.300 alertas de incêndio no mês pretérito, de tratado com estatísticas oficiais.

No Nordeste, o grande município de Altamira registrou durante este período mais incêndios na região amazônica do Brasil.

direitos autorais da imagemGetty Images
legenda da imagemUma propriedade aérea desde 2019 do desmatamento na Amazônia

O que poderia piorar as coisas este ano?

O pesquisador climatológico brasílio Carlos transcendente afirma que há dois problemas principais que contribuem para os incêndios florestais este ano.

A primeira é que a estação seca deste ano é muito mais seca do que o normal.

“As águas tropicais do Atlântico setentrião estão mais quentes este ano e, quando isso acontece, chove menos no sul da Amazônia”, diz o professor Noble.

A segunda é que sobrou muita floresta do incisão do ano pretérito: essa é a madeira cortada que pode suscitar incêndios.

direitos autorais da imagemGetty Images
legenda da imagemHouve um grande número de alertas de incêndio em algumas partes do Brasil

Grande troço não foi queimada, pois havia uma campanha militar para impedir a atividade ilícito na floresta.

Este ano, o tropa realiza uma operação para moderar o desmatamento desde junho e, em julho, o presidente Bolsonaro impôs uma proibição de quatro meses aos incêndios florestais.

O vice-presidente Hamilton Mourão lançou recentemente uma campanha de combate a incêndios, incluindo um aplicativo para o público relatar.

“Estaremos em campo em agosto para tentar moderar esses incêndios piores do que no ano pretérito”, disse ele à BBC.

Ativistas e críticos do governo continuam céticos, diz Camilla Costa, jornalista do Serviço Mundial da BBC.

De tratado com o Ministério da resguardo do Brasil, 28.100 metros cúbicos de madeira ilícito foram confiscados com multas no valor de 407,2 milhões de reais ($ 72,6 milhões; £ 55 milhões).

Ainda assim, os incêndios continuaram na região e os críticos reclamam da falta de fiscalização suficiente.

A floresta está pegando incêndio em outros países?

O número de incêndios florestais nas regiões amazônicas da Colômbia, Peru e Venezuela aumentou nesta era do ano pretérito.

Para os países amazônicos, a mineração e a lavra estão causando o desmatamento e, uma vez que resultado, os incêndios florestais, de tratado com o Dr. Kalamandeen.

Na Venezuela, um aumento na mineração de ouro deve estar por trás do aumento, já que desde 2016 o presidente Nicolas Maduro abriu o setor para tentar moderar o colapso econômico do país.

Na Colômbia, uma vez que resultado da abordagem do governo com Grupo rebelde farc Nos últimos anos, áreas destinadas à lavra foram abertas, causando um aumento nas queimadas, diz o Dr. Kalamandeen.

tópicos relacionados

Este item foi reescrito, traduzido de uma publicação em inglês. Clique cá para acessar a material original (em inglês)!