Um louva-a-deus religioso do Springbok procurando por um link não precisa se preocupar com uma mulher roubando seu coração.

Há, entretanto, uma mudança muito boa que vai morder sua cabeça, e ele sabe disso.

Na verdade, 60% dos encontros sexuais entre Springboks (uma das quase 2.000 espécies de louva-a-deus em todo o mundo) acabam sendo comidos por machos uma vez que lanche.

“Os machos jogam roleta russa sempre que se deparam com fêmeas canibais”, explica Nathan Burke, entomologista da Universidade de Auckland e técnico em rituais de acasalamento com louva-a-deus.

Todos os louva-a-deus machos mostram grande cautela ao se aproximar de um parceiro em potencial. Difícil culpá-los.

Mas enquanto a maioria se esconde detrás ou distrai a fêmea com um tromba saboroso, o Springbok tem uma estratégia completamente dissemelhante (e até agora não relatada) para permanecer vivo, de concordância com descobertas divulgadas na quarta-feira. Cartas de biologia.

“Sob a prenúncio de um ataque canibal, os homens tentam subjugar as mulheres, consertando-as em lutas violentas”, disse Burke, co-responsável do estudo Gregory Holwell.

Louva-a-deus feminino é ferido por lutar com um varão. (© Dr. Nathan W Burke)

Homens que ganham a luta de amantes têm muito mais verosimilhança de consumir o relacionamento, “o que sugere que a luta livre é tanto uma tática de acasalamento quanto de sobrevivência”, acrescentou.

De concordância com experimentos de gladiadores com 52 pares de louva-a-deus, a chave para a vitória foi surpreendente em primeiro lugar.

Se o másculo fosse mais rápido no sorteio e agarrasse a fêmea com as patas dianteiras do êxtase dentadas, ele tinha 78% de chance de evadir incólume.

E quando, ou por outra, o másculo causava um ferimento sério, mas não trágico, no abdômen, ele segurava a cabeça a cada vez.

“Fiquei muito surpreso que os machos feriram as fêmeas enquanto tentavam subjugá-las por meio do acasalamento”, disse Burke. “zero uma vez que isso não foi observado nos cobertores.”

Mas se a fêmea fosse capturada primeiro, os machos sempre seriam mortos e devorados.

Reprodução assexuada

Em universal, os homens tiveram desempenho superior a metade do tempo nessas feiras, que duraram em média 13 segundos.

Vencer a partida não levava maquinalmente ao acasalamento: o acasalamento acontecia exclusivamente dois terços das vezes, e até mesmo o másculo ia para o estômago da fêmea na metade das vezes.

Louva-a-deus verdejante luzidio do Springbok, também espargido uma vez que Miomantis caffra, é nativo do sul da África, mas se espalhou para a novidade Zelândia, sul da Europa e Califórnia, provavelmente por meio do transacção de animais de estimação.

Os nutrientes obtidos quando um louva-a-deus religioso come seu pretendente beneficiam seus descendentes à medida que crescem.

O canibalismo sexual, quando a fêmea de uma família consome o másculo durante ou depois o acasalamento, também é espargido entre as aranhas, uma vez que a viúva negra e os escorpiões.

Os machos menores geralmente fazem o que podem para evitar engolir, incluindo jogos mortos.

Mas os cobertores femininos Springbok têm outro truque na manga: a capacidade de se reproduzir assexuadamente ou sem a ajuda dos machos.

“Eles podem produzir clones de si mesmos se não acasalarem”, disse Burke.

Ter essa escolha ao projecto B levanta uma questão interessante: se as fêmeas são tão boas em canibalizar machos e podem se reproduzir sem sexo, uma vez que os machos continuam existindo?

“Isso é o que me motivou a olhar tão de perto as táticas de acasalamento dos machos”, disse Burke.

A teoria do conflito sexual, ele nos explicou, nos diz que os homens nessa situação devem desenvolver contramedidas para ajudá-los a copular e permanecer relevantes.

E é verdade, foi isso que os pesquisadores descobriram.

“É um exemplo fascinante de uma vez que o conflito sexual pode levar à evolução das táticas de acasalamento que ajudam um sexo, mas atrapalham o outro.” (…)

© France Media Agency

Este item foi reescrito, traduzido de uma publicação em inglês. Clique cá para acessar a material original (em inglês)!