O tráfego na órbita da Terra está ficando mais movimentado. No espaço, não há regras de trânsito e, com o número de satélites ativos a caminho para aumentar exponencialmente nos próximos anos, os especialistas estão cada vez mais preocupados com o risco de colisões.

Na segunda-feira, a Agência Espacial Européia (ESA) foi forçada a afastar seu satélite de observação para dar espaço a um satélite SpaceX na constelação Starlink.

De um modo geral, as manobras de colisão não são incomuns – A ESA fez 28 vezes no ano passado – mas normalmente esses eventos são causados ​​por satélites incontroláveis ​​ou fragmentos mortos de colisões anteriores.

O satélite Starlink está ativo no entanto, o que significa que ainda recebe sinais da Terra. Quando a ESA entrou em contato com a Starlink sobre a abordagem cada vez mais estreita na última quarta-feira, a empresa supostamente disse eles não tinham planos de afastar seu satélite.

O satélite de observação terrestre da agência, Aeolus, estava nesta região há 9 meses e o Starlink 44 era um recém-chegado. Com o passar dos dias, a probabilidade de colisão continuou a aumentar e a agência espacial decidiu tomar uma atitude.

De acordo com a ESA, é a primeira vez que um de seus satélites dispara propulsores para evitar uma possível colisão com uma 'mega constelação' – uma frota de centenas ou milhares de naves espaciais.

Uma declaração da agência espacial explica que no momento da manobra, as chances de colisão eram de cerca de 1 em 1000, 10 vezes maior do que o limite ditado pelos regulamentos de segurança.

SpaceX reivindicações havia um bug no sistema de chamada que impedia que as autoridades vissem essa atualização, mas, se tivessem, teriam movido o satélite, se necessário.

"Este exemplo mostra que, na ausência de regras de tráfego e protocolos de comunicação, a prevenção de colisões depende inteiramente do pragmatismo dos operadores envolvidos" diz Holger Krag, chefe de segurança espacial da ESA.

"Hoje, essa negociação é feita através da troca de e-mails – um processo arcaico que não é mais viável, pois o aumento do número de satélites no espaço significa mais tráfego espacial".

ezgif.com optimize 2(ESA)

A SpaceX não é a única empresa que lança centenas de novos satélites no espaço, mas é a mais ambiciosa. Se for bem-sucedido, a Starlink poderá um dia ser uma frota de 12.000 satélites, fornecendo serviços de internet ultrarrápidos em todo o mundo. Ao mesmo tempo, empresas como OneWeb e Kuiper também estão lançando grandes constelações na competição.

Hoje, existem mais de 5.000 objetos em órbita da Terra, e 2.000 deles estão ativos. Os especialistas em detritos espaciais da ESA estão preocupados com o que essas mega constelações podem fazer com o tráfego espacial se nenhuma regra for implementada.

Eles argumentam que, à medida que o número de potenciais colisões aumenta rapidamente, a capacidade de gerenciar esses eventos exigirá muito mais do que o poder do cérebro humano. O sistema manual que usamos atualmente não será capaz de acompanhar o grande número de objetos em breve orbitando a Terra.

"Ninguém falhou aqui, mas este exemplo mostra a necessidade urgente de gerenciamento adequado do tráfego espacial, com protocolos de comunicação claros e mais automação" explica Krag.

"Foi assim que o controle de tráfego aéreo funcionou por muitas décadas e agora os operadores espaciais precisam se reunir para definir a coordenação automatizada de manobras".

A ESA diz que agora está criando um sistema automatizado de prevenção de colisões para avaliar a possibilidade de colisões e resultados em potencial mais rapidamente do que nunca. Mas manter a paz nas 'ruas' da órbita da Terra exigirá mais do que apenas isso, eles argumentam; exigirá também cooperação.

"O que eu quero é uma maneira organizada de fazer o tráfego espacial. Deve ficar claro quando você tem uma situação dessas que precisa reagir", Krag contou Forbes.

"Não é quando temos 10.000 satélites no espaço que existem operadores escrevendo o e-mail para o que fazer. Não é assim que imagino o voo espacial moderno".



Esta matéria foi traduzida e republicada. Clique aqui para acessar o site original.