Lembra-se do espetáculo daquele gigantesco telescópio revelado em um vale cercado de montanhas na China há alguns anos atrás? Bem o Telescópio de rádio esférico com abertura de quinhentos metros (FAST) captou agora um misterioso sinal espacial conhecido como uma rápida explosão de rádio.

Explosões rápidas de rádio ou FRBs são pulsos de energia breves, mas poderosos, de partes distantes do cosmos. O primeiro foi visto em 2007, e estamos encontrando mais deles o tempo todo.

Embora os astrônomos tenham feito recentemente um progresso emocionante no rastreamento de FRBs, simplesmente não sabemos exatamente o que são esses sinais ou como eles se originam. Eles podem ser causados ​​por buracos negros ou estrelas de nêutrons chamadas magnetares, possivelmente.

O que é empolgante com a detecção pelo FAST é que essa rápida explosão de rádio é um repetidor. A explosão é oficialmente conhecida como FRB 121102: captada pela primeira vez em 2012 no Observatório Arecibo em Porto Rico, apareceu várias vezes desde então.

Os pesquisadores observam que o sinal viajou cerca de 3 bilhões de anos-luz pelo Universo para nos alcançar.

O FAST travou o FRB 121102 em 30 de agosto, antes de gravar dezenas de pulsos posteriores (em um dia específico, em 3 de setembro, mais de 20 pulsos foram detectados). Portanto, isso parece um FRB particularmente persistente.

O receptor de 19 feixes no FAST é especialmente sensível aos sinais de rádio, cobrindo a faixa de frequência de 1,05-1,45 GHz e é perfeito para manter um olho no FRB 121102.

Quanto mais observações pudermos fazer desses FRBs, maiores serão nossas chances de descobrir exatamente o que são. Uma idéia é que os FRBs são produzidos após a desintegração das crostas de certos tipos de estrelas de nêutrons.

Outra hipótese postula que diferentes FRBs realmente têm causas diferentes, o que pode explicar por que FRB 121102 se repete e outras parecem não fazê-lo. Estamos pelo menos melhorando em identificar de onde vêm essas misteriosas explosões de radiação eletromagnética.

Agora, podemos adicionar os dados coletados pelo FAST ao nosso crescente banco de dados de conhecimento sobre esses fenômenos espaciais mais intrigantes. A equipe do telescópio já conseguiu eliminar a interferência de aeronaves e satélites de suas medições.

"Eu acho tão incrível que a natureza produz algo assim", disse à ScienceAlert o físico Ziggy Pleunis, da Universidade McGill, depois de ajudar a detalhar oito novas FRBs em um artigo publicado no mês passado.

"Além disso, acho que há algumas informações muito importantes nessa estrutura que precisamos descobrir como codificar e foi muito divertido tentar descobrir exatamente o que é isso".

Nota do editor 10 de setembro de 2019: Uma versão anterior deste artigo dizia incorretamente que o Observatório Arecibo estava na Flórida. É administrado pela Universidade da Flórida Central, mas está localizado em Porto Rico. Isso foi atualizado.

Esta matéria foi traduzida e republicada. Clique aqui para acessar o site original.