direitos autorais da imagemGetty Images

legenda da imagemAs árvores, conhecidas porquê gympie-gympies entre os australianos, são encontradas principalmente no nordeste de Queensland.

Os cientistas descobriram que as toxinas produzidas pelas árvores venenosas da Austrália têm uma potente semelhança com as das aranhas e escorpiões.

Os resultados, publicados na revista Science Advances, vêm de pesquisadores da Universidade de Queensland.

Aqueles que picam as folhas dessas árvores primeiro sentem uma queimação intensa.

Depois de várias horas, a dor se torna semelhante ao veste de a extensão afetada ter sido atingida na porta do coche. Isso pode resistir dias ou até semanas.

Os cientistas dizem que descobriram que a estrutura molecular do veneno é semelhante a um nó, permitindo que a toxina se enrede e vise repetidamente os receptores de dor da vítima.

A árvore – Dendrocnide excelsa – também é conhecida porquê gympie-gympie.

Possui folhas largas, ovais ou em forma de coração, cobertas por pêlos em forma de agulha, e são encontradas principalmente nas florestas tropicais do nordeste de Queensland.

“As espécies de árvores australianas são particularmente conhecidas por sua produção [an] uma picada extremamente dolorosa “, disse Irina Vetter, professora associada do Instituto de Biociência Molecular da Universidade de Queensland, à CNN.

Ele disse que esses apêndices semelhantes a agulhas “parecem cabelos finos, mas na verdade agem porquê agulhas hipodérmicas que injetam toxinas quando entram em contato com a pele”.

Os autores do relatório chamaram o tipo recentemente revelado de neurotoxina de “gimpietidas”

Até recentemente, os cientistas não conseguiam desenredar quais moléculas dentro da vegetal causavam dor tão intensa.

“Ao compreender porquê essa toxina funciona, esperamos fornecer um tratamento melhor para aqueles cujas vegetais arderam, para serenar ou expelir a dor”, disse o professor Vetter.

tópicos relacionados

  • Árvores

  • Queensland
  • Austrália

Este item foi reescrito, traduzido de uma publicação em inglês. Clique cá para acessar a material original (em inglês)!